Compartilhar  

Rádio da I.P.Fi.  

Hora Certa em Brasília  

Bíblia On-line  

Redes Sociais  

Álbum de fotos  

img_0475 64...
Image Detail Image Download

Notícias da I.P.B  

O perfeito equilíbrio da verdade de Deus (Parte 1)

O perfeito equilíbrio da verdade de Deus (Parte 1)

PDFImprimirE-mail

Resultado de imagem para O perfeito equilíbrio da verdade de Deus

Recentemente, um amigo visitou uma igreja, onde nos últimos cinco anos, tem acontecido uma obra renovadora do Senhor. Ele descreveu seu fim-de-semana com os membros daquela igreja: “Uma coisa marcante foi isto: sempre que eu passava por um grupo de homens, eles estavam falando acerca das coisas de Deus. Chegou um momento em que eu perguntei qual era o segredo dessa bênção que eles haviam conhecido. Eu tinha para mim mesmo uma resposta, mas queria ouvir o que diriam. Eles deram a resposta correta, ou seja, era uma soberana obra de Deus. Disseram que não fora sempre assim e estavam conscientes de que Deus estava operando no meio deles. Aquilo foi muito encorajador. Não era avivamento, mas, quando imagino o avivamento, essa é uma das coisas que me vem à mente. Foi animador ver o que na realidade estava acontecendo, e aquilo me deu novas esperanças quanto à possibilidade de um avivamento”.

Em cada despertamento existe uma nova fascinação pela Bíblia: “Então, os que temiam ao SENHOR falavam uns aos outros” (Ml 3.16). É claro que nos despertamentos, também, os homens acabam se desviando e tornando-se obcecados com detalhes de teologia ou pelas doutrinas que dividem os verdadeiros cristãos. Ainda assim, uma marca de Deus abençoando uma congregação é o desejo de falarem uns aos outros acerca dos diversos, e mesmo aparentemente contraditórios, caminhos de Deus. Gostamos muito de freqüentar igrejas onde as pessoas discutem o ensino da Bíblia demonstrando a mesma prontidão com que outros falam de seus interesses e trabalhos. Compreender a Palavra de Deus é uma de nossas maiores alegrias.

Uma evidência de maturidade é a compreensão experimental daquelas verdades que perecem estar em conflito com outras, mas que na realidade, são como os braços do Pai envolvendo seus filhos. Ambas devem ser cridas na medida que permanecem fundamentadas em seu próprio testemunho bíblico independente. Existe uma vasta gama de tais verdades nas Escrituras; destas, seguem agora cinco exemplos.

  • A Incapacidade Não Anula a Nossa Responsabilidade

As Escrituras deixam inequivocamente clara a total incapacidade do homem para transformar seu caráter, por suas próprias forças e vontade, tornando-se deste modo semelhante a Cristo. Isso está além da capacidade do homem.

Pode, acaso, o etíope mudar a sua pele ou o leopardo, as suas manchas? Então, poderíeis fazer o bem, estando acostumados a fazer o mal(Jr 13.23).

Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer”, declarou o Senhor Jesus (Jo 6.44). O ato da verdadeira e simples fé no Senhor é impossível sem o “trazer” e sem a graciosa dádiva do Pai. Jesus novamente nos diz que, a menos que um homem seja nascido de novo, ele não pode ver ou entrar no reino de Deus (Jo 3.3,5).

Todavia, existem mandamentos com os quais Deus confronta cada ser humano. Por exemplo: “Importa-vos nascer de novo” (Jo 3.7);

Deus… notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam” (At 17.30); e “amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração”. Estes são mandamentos sinceros? Com toda a certeza. Todas as criaturas são responsáveis perante o seu Criador. Será que tais mandamentos não pressupõem uma módica porção de capacidade? Não. Não, desde a queda de nosso pai Adão.

Deus lida com as pessoas de acordo com os padrões de responsabilidade e obrigação, e não de acordo com a medida de capacidade. John Murray afirmou: “Se a obrigação pressupõe capacidade, todos nós temos de ir até o fim da linha e pregar a total capacidade do homem”. Por que, então, os mandamentos nos foram dados? Eles são uma revelação da vontade do Deus Todo Poderoso, e também farão que os homens percebam sua total incapacidade. Um dos resultados de pregarmos a incapacidade do homem é que as pessoas são forçadas a pararem de confiar em si mesmas. Isto as obriga a confiar tão somente na graça de Deus. Não é a convicção da incapacidade que mantém os homens afastados de Cristo; é exatamente o oposto: “Eu não consigo me achegar a Ele, mas preciso me achegar a Ele. Que incapacidade amedrontadora! Que tremenda responsabilidade! Quem me livrará desse dilema? Agradeço a Deus por Cristo Jesus, o Salvador que capacita”.

  • A Certeza Não Anula a Nossa Necessidade

Tudo o que Deus determinou fazer certamente será realizado:

Desde o princípio anuncio o que há de acontecer e desde a antiguidade, as cousas que ainda não sucederam; que digo: o meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade” (Is 46.10). O plano de Deus é imutável, porque Ele é fiel e verdadeiro (Jó 23.13-14). O plano de Deus é incondicional, ou seja, sua execução não depende de qualquer ação humana, mas torna-a uma certeza (At 2.23; Ef 2.8). Além disso, o plano de Deus é totalmente abrangente, envolvendo as boas e más ações dos homens (Ef 2.10; At 2.23), os eventos incertos (Gn 50.20), a duração da vida de um homem (Jó 14.5) e o lugar onde ele viverá (At 17.26). O plano de Deus assegura a salvação de um grande número de pecadores favorecidos.

Entretanto, a certeza de que a vontade secreta de Deus está sendo realizada não anula a necessidade do homem obedecer a tudo que Deus ordenou na Bíblia. Quando o Senhor disse a Paulo que tinha muito povo em Corinto, este não ficou sentado numa cadeira em sua varanda, esperando que os coríntios viessem trazer-lhe os seus cartões de decisão. Durante 18 meses, o apóstolo ensinou a Palavra de Deus a todos que em Corinto o ouviam (At 18.11). Ele o fez rogando que crescem, estendendolhes sua mão, suplicando-lhes que se arrependessem. Paulo chorou por causa deles; orou e pediu que outros orassem em favor deles. O apóstolo os visitou em particular, debateu com seus oponentes publicamente e pediu desculpas se os havia ofendido por meio de palavras severas. Ele procurou viver uma vida semelhante à de Cristo perante eles, para que, em nada, a mensagem fosse maculada através do pecado. Paulo sabia que o povo escolhido de Deus em Corinto certamente haveria de confessar a Cristo, mas esse conhecimento de forma alguma anulou a necessidade de viver uma vida de temor a Deus, permeada por fervor evangelístico.

  • O Propósito Limitado Não Anula a Pregação Indiscriminada

Existe um povo que Deus, o Pai, presenteou a Deus, o Filho (Jo 17.2, etc.). Esse povo possui títulos como “a igreja”, “o povo de Deus”, “os filhos de Deus” ou as “ovelhas” de Jesus. Constantemente, o Novo Testamento nos informa que a morte de Cristo se concentrou na realização da salvação dessas pessoas:

Ele salvará o seu povo dos pecados deles” (Mt 1.21);

Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela” (Ef 5.25);

Jesus estava para morrer pela nação e não somente pela nação, mas também para reunir em um só corpo os filhos de Deus, que andam dispersos” (Jo 11.51-52);

Mas vós não credes, porque não sois das minhas ovelhas. As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão” (Jo 10.26-28). O Senhor Jesus Cristo cumpriu o propósito de Deus em salvar todos os que são povo dEle. Parte 2

 

 

Compartilhar

© 2018 - ALLROUNDER
   
| Quinta, 13. Dezembro 2018 || Designed by: LernVid.com |